segunda-feira, 18 de março de 2013

Quando mais precisamos das pessoas



Você já se fez essa pergunta?
Tenho uma máxima que sigo há alguns anos: Deixar a vida em dia. O que significa falar sempre aquilo que sinto que precisa ser dito, cuidar quando é preciso, oferecer amor na hora que o outro pede, falar a verdade, e também colocar limites. Assim quando alguém vai embora, quando um ciclo se fecha está tudo certo.


Podemos até sofrer pelas pessoas, sentir falta, mas podemos continuar. Podemos viver sem alguém. Podemos seguir em frente quando não estamos felizes, e porque não fazer isso?
Porque criar dependência das pessoas ou das coisas que queremos que de certo, já que isso se transforma em prolongar o sofrimento?


Aprender viver bem o momento presente, seja ele bom ou ruim é muito libertador, porque se temos pendências com as pessoas, com certeza deixamos de ter espaço para o amor, já que as coisas não caminham juntas.
Quando precisamos arrumar os sentimentos, dizer coisas para o outro, ficamos agitados, confusos, sofremos...
E quem sofre, não se sente leve para amar. 
Leva um tempo limpar a energia, mas é necessário.




Sempre nos meus grupos, em trabalhos de cura, de meditaçao e doação de energia uso um mantra que diz assim:
Eu me dôo com amor. Eu recebo com amor.
Tentamos praticar se doar com amor e receber com amor. O que parece fácil mas não é, pois receber as coisas da vida, perder, passar por situações de stress, nem sempre são recebidas com amor, nem sempre compreendemos o que acontece, mais difícil ainda fazer isso com amor. 

Assim acabamos desenvolvendo uma imensa carência. Um imenso desejo de que alguém cuide da gente, e quando isso não da certo, ficamos com raiva e nos deprimimos. 
Mas e nós onde estamos?

Conseguimos nos oferecer suporte, amor, ou no mínimo um diálogo interior com carinho?
Acho que quando mais precisamos dos outros, estamos precisando de nós mesmos. 
No momento em que nos acolhemos, e tentamos estabelecer um diálogo interior amoroso, deixamos de dar tanto valor ao outro, ou as atitudes negativas que as vezes recebemos em retorno das nossas boas ações.
Coisas ruins acontecem com pessoas boas. E por isso e por outras coisas precisamos nos amar, nos suprir. Podemos esperar o amor das pessoas, e não devemos nos proteger da vida atras da auto suficiência. 
Precisamos das pessoas para com elas aprender compartilhar.


São as pessoas que nos ensinam superar as dores e crescer em nosso caminho.
Sofremos por conta do amor, mas também crescemos nas histórias.
Somente através da convivência curamos as dores causadas pelos desencontros nos relacionamentos.
Assim dois passos rumo ao interior são importantes, a gente se bastar, e se amar. E dois passos rumo ao exterior são igualmente importantes amar ao próximo e compreender seus limites.
Podemos não mudar as pessoas, mas mudamos a nos mesmos.

Vamos na luz.
Beijo a todos e boa semana.
MS

5 comentários :

  1. Um dos seus mais belos textos, Maria Silvia.
    E essa frase "...quando mais precisamos dos outros, estamos precisando de nós mesmos", é pura constatação do encontro mais necessário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Neiva, fico feliz em fazer parte desta sua caminhada.
      Precisamos nos treinar para melhorar, até no amor...
      Beijos,

      MS

      Excluir
  2. Linda sua nova capa de blog!

    Su

    ResponderExcluir
  3. Lindo o seu texto, e para a nossa reflexão mais íntima.
    Adorei. Vc é uma Grande Mestre... aceite isso com a minha consideração e respeito. bjs

    ResponderExcluir