quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Nós não temos o coração peludo!




Gente nunca tinha ouvido falar de "coração Peludo" até a última segunda-feira quando nos reunimos em Alpha Lux para fazer as sacolinhas que vamos distribuir para os moradores de rua no centro da cidade.
Estávamos todos alegres, brincando, felizes em organizar o nosso terceiro Seva de Natal, quando surgiu o assunto de coisas difíceis, de pessoas que não se doam, que não querem ajudar porque acham que cada um tem que se virar com a própria vida.
Nazaré falava assim: Você tem que depilar seu coração...
E surgiram outras frases:


___ Seja mais doce.


___ Pare de reclamar.


___ Vamos ajudar!


___ Não seja egoista.


Aliás tudo o que essas pessoas não são é egoístas.
Todos se doaram muito, e ficaram muito felizes.

Mas veja  o texto sobre o "Coração Peludo"

Por: Alessio Di Pascucci

Cientistas canadenses descobriram uma nova “doença”. Chama-se “Síndrome do Coração Peludo”. Indivíduos portadores dessa “doença” tornam-se incapazes de viver experiências afetivas intensas nas quais a rigidez e as defesas do ego corram algum risco de se desfazerem. Principalmente as experiências relacionadas aos sentimentos de Amor, Compaixão e Gratidão.
Estes indivíduos desenvolvem uma estranha anomalia: seus corações começam a desenvolver uma espessa camada de pelos que atuará como uma blindagem emocional em relação aos vínculos afetivos que estimulem a ruptura dos padrões emocionais e comportamentais nos quais estes indivíduos, por medos inconscientes de transformações profundas, (sejam elas de si mesmos ou da organização social do mundo), se encontram aprisionados.
Com o passar do tempo, os portadores dessa “doença” vão se transformando em seres humanos extremamente individualistas, incapazes de compreender que é na dinâmica afetiva com o outro, (seja o outro, um outro ser ou o próprio mundo a sua volta), que se cria o processo de auto-conhecimento e composição de um verdadeiro sentido para as suas existências.
Por criarem um bloqueio emocional em relação aos processos de transformações profundas, alguns tendem a se apegar em valores morais rígidos que mantenham a “ordem socialmente estabelecida”. Outros, por sua vez, tendem à farsa de se mostrarem “livres”, “desapegados” e fora da “ordem socialmente estabelecida”. Em ambos os casos este é um grave sintoma dos portadores da “Síndrome do Coração Peludo”: o não comprometimento afetivo com as problemáticas do mundo atual e nem com os afetos das pessoas que o circundam.

Segundo os cientistas canadenses, só através de “choques elétricos de amor” os portadores dessa doença podem dar início ao seu processo de cura.

Um grande beijo para você, e para toda sua família, e vamos na Luz!

MS

9 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. rsrsrs....Ótimo texto!
    Já ouvi falar do termo, mas, a reflexão vai ser proveitosa!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thalita,

      Achei muito interessante essa história.

      Beijos
      MS

      Excluir
  3. Conheço gente assim...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é amigo, existe mesmo.
      Mas vamos fazer nossa parte.

      MS

      Excluir
  4. O Amor contagia... Cura o coração peludo e o coração de pedra...
    Vamos praticar o bem sem olhar a quem.
    Que o espírito de doação de Natal aconteça sempre, durante todo o ano.
    Vcs Equipe AlphaLux são demais!
    Luz e Vibrações de Cristo para nós.

    ResponderExcluir