quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Maria Padilha - Somos escolhidos por nossas fraquezas



Áudio

Um dia eu aprendi que somos escolhidos por nossas fraquezas e não pelo nosso poder.

Eu contei um pouco da minha história, no nosso último encontro. E tive autorização para estar aqui novamente e falar um pouco mais da minha caminhada.

Feliz Eu Sou, que posso servir como exemplo. Dizem os Mestres, que só podem ensinar aqueles que um dia já trilharam caminhos escuros. E eu posso dizer a vocês, que trilhei caminhos muito escuros, momentos em que eu não tinha a capacidade de enxergar qual seria o próximo passo.

Momentos de tanto sofrimento, de tanta dor emocional, que eu não podia voltar pra trás porque não tinha chão... E não podia seguir pra frente porque não sabia pra onde ir.

Acho que alguns de vocês já passaram por situações semelhantes. E nesses momentos é que Deus nos obriga viver profundamente o presente. Porque viver do passado não nos leva a nada. E viver do futuro é uma profunda incerteza.

Pois é, meus irmãos. Aprendi da forma mais difícil.

E durante muito tempo, me achei muito infeliz, fazendo de conta que era muito alegre. Fazendo de conta que sabia sorrir. Eu ia às festas, usava os melhores vestidos. Como era rica, mandava fazer os melhores perfumes e escolhia os aromas, não pela suavidade, mas, pela arrogância.

Porque podemos fazer das coisas mais belas as piores escolhas.
Assim, como podemos também, fazer escolhas lindas com coisas muito simples. Sabedoria essa, que naquela época, eu não tinha.

Minha intenção, o desejo que eu via do coração e a forma de amor que compreendia, era amar, amar, amar, amar e ser amada. E quanto mais eu procurava o amor, menos me sentia acolhida e recompensada por ele. Porque perseguia aquilo que não me pertencia. Porque buscava respostas para perguntas que não cabiam a ninguém. Que era um assunto meu.

E assim, o sofrimento se tornava cada vez maior. Porque eu vivia para os outros, eu vivia para as aparências, eu vivia para aquilo que o mundo consome.

E hoje, observando tantas coisas, através dos olhos de vocês, através dos olhos dessa que me serve de canal... Vejo que pouca coisa o mundo mudou. Tantas modernidades e algumas poucas mudanças. Tantas coisas novas vocês têm para desejar. Mas, o desejo não se faz pelas coisas e sim, pelas pessoas que se sentem incompletas.

Na minha época, os ricos desejavam as coisas belas. E isso não mudou.
Os pobres, desejavam melhor comida; melhor lugar onde dormir; melhor o que vestir; melhor saúde. E isso não mudou.
E os religiosos, pregavam religião e tentavam ajudar as pessoas. E isso não mudou.
E os políticos, defendiam as suas próprias causas, defendiam o seu patrimônio e usavam da vida aquilo que podiam. E isso não mudou.
E as mulheres queriam os homens, e os homens às mulheres, e as pessoas às pessoas. E isso não mudou.

Portanto, o mundo evolui em tantas coisas, o que me leva a pensar... Que é preciso mudar algo mais. E que cada um de vocês deve buscar dentro de si a resposta.

Eu digo que somos escolhidos... Pelas nossas falhas, pelas nossas faltas e não por nossa capacidade. Por que assim foi comigo.

E qual era a minha falha? Qual era a minha grande falha?
Não me amar. Não me enxergar.
E olhem que na minha casa eu tinha grandes espelhos. Os mais perfeitos eu mandei fazer, porque não aceitava erros... Eu era tão bela.

Então, eu queria espelhos que retratassem a minha perfeição. Eu queria espelhos que mostrassem exatamente a beleza do meu ser. Para me tornar a cada dia, mais bonita e mais sedutora, e mais atraente. E afirmar...  Que eu podia ser amada, que eu queria ser amada e que as pessoas precisam me amar, porque eu era espetacular.

E esse vazio apenas crescia...


Eu fui escolhida pelas minhas falhas, porque os Mestres assim entendem. Que no momento em que nos curamos, nos compreendemos, nos aceitamos, nos amamos.... Vamos agindo numa profunda mudança e transformação com tudo o que está a nossa volta.

São como as belas flores, que são escolhidas por serem as mais belas que enfeitarão os vasos. Mas continuam pertencendo a todas as outras que sobraram, apagadas e esquecidas no seu pé. Eu me sinto assim.

Quero oferecer a vocês o meu exemplo. Que é preciso olhar pra si mesmo.
Não pelos espelhos da vida, nem pelos olhos das pessoas que nos veem.
Mas, por aquilo que somos. Com os olhos fechados como vocês fazem agora, olhando pra alma, olhando para o coração, limpando esse coração.

E procurando compreender, nesse grande momento presente: O que você vive? Para que você vive? Com quem você vive?

As respostas não estão no mundo, mas, em você. As respostas não estão nos sentimentos que você recebe das pessoas, mas, naquilo que cultivas.

A flor, não precisa de outras flores para abrir suas pétalas. A natureza é sábia.
As pessoas, precisam apenas do seu coração, para saber quem são.

E naturalmente... Naturalmente, elas atrairão para si, para o seu lado... Aqueles que vão querer ouvi-la, aqueles que vão querer tocá-la, aqueles que vão querer a sua companhia, a sua presença e o seu amor.

Se vocês querem ser amados, compreendidos, aceitos... Sejam amáveis.
Se tornem criaturas amáveis. Não apenas nas palavras suaves, nem da boca pra fora, mas no coração. Estando com as pessoas, de forma mais educada, mais gentil. Se observem.
O quanto nos seus relacionamentos vocês são capazes de ouvir o outro? Apenas ouvir, como bons amigos.

Ou você quer falar o tempo inteiro? Ou você quer cuidar do seu jeito, o tempo inteiro?
Ou você quer arrumar a pessoa, para que ela seja da sua forma o tempo todo?

Reações erradas vêm de atitudes erradas. E por que eu posso dizer isso a vocês?
Porque eu fui alguém que errou muito, muito, muito. E eu justificada o meu erro pra mim mesma.

Eu dizia: “Errei por amor”; “Fiz por amor”; “Exagerei por amor”; “Gritei por amor”; “Morri por amor”; “Matei por amor”.

E fiz tudo isso. E fui escolhida por minhas falhas. Porque havia em mim, uma compreensão tão profunda do engano. Uma dor tão profunda de estar onde eu estava que chegou um momento, em que eu falei pra espiritualidade... Porque eu não acreditava no Deus daquela época, do jeito que as pessoas viviam. Mas eu acreditava em Deus, numa força, num poder.

E eu falei pra essa força: “Eu não quero mais ser assim. Eu não quero ser mais nada”.

Mas na época, no meio da minha escuridão, isso apenas queria dizer que eu queria morrer. Porque eu achava que a morte física era uma salvação.

E aí, também vivi um grande engano. Porque eu estava esquecida de tantas outras vezes que já tinha morrido, porque, somos todos espíritos em evolução. E a morte não é uma cura é apenas uma passagem.

Mas, no momento em que eu compreendi que não mais queria impor a minha vontade, todo um processo de cura se iniciou na minha vida. Eu não queria mais impor á vida, o jeito que eu queria viver. Eu comecei a aceitar e a entender.

E nessa época, eu vivia no campo. E eu comecei a ter mais paciência com a natureza, com os fenômenos do dia-a-dia. Comecei a olhar quando era inverno, a respeitar o tempo do frio e a observar as pessoas, os pássaros... E tudo o que acontecia a minha volta.

Comecei a aceitar mais o silêncio e querer menos festa. Eu me tornei mais seletiva e mais silenciosa. E eu não falava pra ninguém que eu estava orando, porque eu não estava orando... Não na forma tradicional.

Eu olhava pra Lua e me encantava com a Lua. Eu olhava pro Vento e me encantava com o Vento. Essa era a minha oração. A Natureza era o meu Deus.


E ali eu tive grandes, grandes aprendizados.
Às vezes, era um bando de pássaros que levantava voo perto da minha janela, quando eu fazia uma pergunta.

Eu passei a ter olhos que observavam mais. Ouvidos que ouviam mais. E uma boca que falava menos. E isso foi de grande ajuda pra a minha evolução. Porque eu passei a sentir as pessoas.

E aí, como eu não fazia mais tantas festas, muitos amigos de outra época me deixaram. Mas eu não fiquei triste. Depois de um tempo, eu percebi que aquilo me aliviou. Que eu não precisava daquelas companhias. Que eu não precisava das coisas do jeito que aquelas pessoas viam.
Eu estava caminhando e me transformando.

E aquele que eu amava e que eu não tinha... Era um homem, era uma grande paixão. Eu comecei entender como uma pessoa e suavizou o sentimento. Porque era tanto sofrimento, que eu queria uma pedra para ser colocada em meu coração.

E quando começou a serenar, eu comecei a cuidar do meu coração como se cuida de um pássaro que cai da árvore, afastado de sua mãe. Eu comecei a pensar nos pássaros, pensar na Natureza e me comparar a eles.

E eu tratava o meu coração como um pássaro. Cuidando com amor.
As minhas falhas, me ensinaram que eu não olhava pra mim. E como eu não olhava pra mim eu não olhava pra ninguém. Eu não sabia olhar pra ninguém.

Eu queria que as pessoas me vissem. Que as pessoas me tocassem se aproximassem de mim e curassem a minha dor. E esse foi um ponto de grande mudança, quando tocada pela espiritualidade, eu descobri que eu tinha que me curar.

Pensem em vocês como pássaros. Pensem no seu coração como um pássaro, ferido, se for o caso. E que você está cuidando com todo carinho. Você se amando. Você trazendo Luz pra você mesmo.

E observe, assim mesmo, com mais carinho. Porque se Deus é capaz de nos escolher por nossas falhas, até as nossas falhas, nós devemos amar.

Eu vejo que em muitos lugares se fala de reforma íntima. A reforma íntima não deve ser uma destruição íntima. A reforma íntima não deve ser uma guerra interior.

A reforma íntima deve ser uma escultura de amor. Um trato de carinho e de força interior.

E pense, em você mesmo... Qual será a sua falha? Qual será o motivo que Deus escolherá a você para alguma tarefa ou alguma missão.

Pode ser que você seja teimoso. Então, para que servirá a sua teimosia?
Pode ser que você seja orgulhoso. Para que servirá o seu orgulho?
Pode ser que você seja escolhido pela sua timidez.

Observe, nessa sua atitude, onde está a sua cura e a sua forma de servir os desígnios Divino.

A serviço da elevação espiritual. A serviço da grande transformação do Homem em um Ser de Amor, e da Fraternidade Branca... Eu Sou Maria Padilha e ofereço a vocês, humildemente, o meu Amor.

Que a minha vida e as minhas histórias, possam ajudar cada um de vocês, no seu caminho e no seu despertar.

Sigam em Paz.

____________________________________________________________

Nome de Referência:  Somos escolhidos por nossas fraquezas e não pelo nosso poder
Mentora: Maria Padilha
Data: 21/08/2013
Local: Espaço Alpha Lux
Transcrição: Patrícia Viégas

Canal: Maria Silvia Orlovas

Áudio:  ALPHA LUX 29 ANO 15 

26 comentários :

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Que mensagem linda!Quem dera todos tivessem acesso e pudessem ler com o coração cada palavra, cada ensinamento. Gratidão!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nina,

      Vamos fazer nossa parte e nos manter na luz.
      MS

      Excluir
  3. Linda...
    E como é difícil sair da escuridão...se recolher e depois conviver com ela nos outros! E ainda em si mesmo em alguns pontos!
    Se guiar é um pouco complicado...escolher as peças, se responsabilizar...buscar uma compreensão e entendimento diferentes!
    E as vezes nem a necessidade de expor e falar disso com outros é bem aceito...
    : )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thalita,

      Minha querida, mais importante do que falar é a gente se manter na luz.

      Beijos querida,

      MS

      Excluir
  4. Que relato profundo, que experiência, que grande lição!

    Obrigada
    Silvana

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso este depoimento.
    Esta fala da Maria Padilha me lembrou uma fala da Mãe Maria, que também disse que foi escolhida pelas suas fraquezas e não pela sua força. Humildade delas.
    Ser guiada pelos teus olhos e não os olhos dos outros. "As respostas não estão nos sentimentos que você recebe das pessoas, mas, naquilo que cultivas". Que profundo!
    Se vc quer amor, dê amor. Se vc quer verdade, viva a verdade. Se vc quer respeito, se respeite...
    Me identifiquei tbém quando ela disse que começou a ficar mais em silêncio e a querer menos festa.
    Estou numa fase assim, de reforma intima ou melhor dizendo de escultura de amor.
    Vamos na elevação, bjs, Tati Fpolis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tati,

      Muito bem lembrado.
      As Marias tem algo em comum.

      Beijo da MS

      Excluir
  6. Ricardo T. Markoski22 de agosto de 2013 18:14

    Sem palavras.....quanto aprendizado!!!!!!
    Salve Maria Padilha!

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto! Mto bom para refletir e a auxiliar na evolução!

    ResponderExcluir
  8. Lendo o texto, senti um conforto pois pude ver que não sou só eu! E que o aprendizado está aí, acontecendo todos os dias. Preciso melhorar muito, aceitar mais, sofrer menos. Gratidão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcella,

      Com certeza muitas mulheres estão na sintonia.

      beijos querida,

      MS

      Excluir
  9. Maria Padilha resumiu todas as minhas perguntas neste texto, como é difícil a rte de escutar o coração. Como a gente erra e volta a fazer aquilo que não quer. Como faço para pensar com o coração e não com a impulsividade? Pois depois que reajo a culpa se instala...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sara,

      quando temos alguma consciencia do erro, já estamos caminhando para acertar.

      Beijos querida,

      MS

      Excluir
  10. Meu Deus que coisa mais linda!!!!!!!!!!!
    Muito profundo, deixou bem clara várias questões que sempre tive dúvida, uma delas é que esperamos um milagre para sermos curados, mas não existe milagre externo, a verdadeira cura somente nos mesmo podemos realizar!
    obrigada MS
    Kelem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kelem,

      Acho que nós temos que nos abrir para o milagre.

      Coragem querida,

      MS

      Excluir
  11. Maravilhoso! Nos faz refletir e entender que nossa essência divina vai prevalecer, isso traz uma esperança tão grande!

    ResponderExcluir
  12. Quanto aprendizado, que bela forma de vencer as vicissitudes da vida atraves do silencio e o contato com a nossa essencia de luz.. maria padilha hoje voa como os passaros trazendo conforto atraves de palavras e liçoes que devemos ouvir com o nosso coração..
    adorei a parte sobre o coração e o pássaro.. eles me encantam também..que então sejamaos capazes de deixar nossos corações curados, despidos de dores e livres para voar..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Yasmine,

      Também achei linda a imagem do pássaro.
      Precisamos de amor não é?
      Beijos da MS

      Excluir
  13. Temos q cuidar sim do nosso coracao, pois ele só através dele poderemos acessar e aprnder nossa maior licao no mundo: amar, amar a todos, tudo,, inclusive nós mesmos..com erro e defeitos.."E quando começou a serenar, eu comecei a cuidar do meu coração como se cuida de um pássaro que cai da árvore, afastado de sua mãe" Gratidao

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa minha querida,

      Deus sempre nos acolhe...
      Beijos da MS

      Excluir
  14. Lindo o relato da mentora Maria Padilha. Por vezes, nos esquecemos que existe muito mais a compreender e que estamos sendo testados nas questões que nos propusemos a evoluir. Eu tenho me vigiado com frequência e percebo esta necessidade: de relembrar... Me sinto muito grata por seus relatos...

    ResponderExcluir